Notícias

Governo entrega Habite-se a moradores de conjunto habitacional de Palmas

19/04/2018 - Erica Lima/Governo do Tocantins

Edilene Santos realizou o seu sonho de ter uma casa própria em outubro de  2017, por meio do Pró-Moradia, uma parceria entre o Governo do Estado com a  Caixa Econômica e o Governo Federal. Agora, a dona de casa de 33 anos já pensa em ampliar o seu imóvel.

Toda a empolgação de Edilene foi causada pela entrega do Habite-se de sua residência. “Agora eu posso pensar em ampliar minha casa um pouco, meu sonho é conseguir construir uma cozinha”, destacou a moradora.

O documento oficial dos imóveis da 1303 Sul foram entregues durante a tarde desta quarta-feira, 18, a 472 beneficiários. “Hoje conseguimos entregar a documentação da maioria das famílias, algumas tiveram problemas ao longo do processo e o Habite-se atrasou, mas esses casos estão sendo solucionados com o auxílio dos técnicos do Governo”, explicou o superintendente de Habitação da Secretaria de Infraestrutura, Habitação e Serviços Públicos, Jorge Mendes.

O Habite-se é um documento expedido pela prefeitura que atesta o respeito às normas de segurança durante a execução da obra. Com o documento os moradores poderão realizar, dentre outras coisas, intervenções e ampliações nos imóveis. O superintendente Jorge Mendes, explicou que os beneficiários não tiveram custos com o processo. “Todo o trabalho técnico e as custas foram arcadas pelo Governo do Tocantins, os moradores ficaram isentos de qualquer valor”, explicou.

Outra beneficiada, Rosa Maria, se disse emocionada. A aposentada mora no local ha dois anos e explicou que estava ansiosa para receber a documentação. “Cada papel que a gente recebe é a prova de que a casa é realmente nossa e eu só tenho que agradecer”, destacou.

Pró-Moradia

O contrato do Programa contou com recursos na ordem de R$ 34 milhões, em parceria com Caixa Econômica e o Governo Federal. Ao todo 654 unidades foram entregues beneficiando cerca de  2,6 mil pessoas.

Foram beneficiadas famílias com situação de vulnerabilidade social, com renda familiar de até 1600 por mês e sem imóvel ou financiamento com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

Compartilhe esta notícia